corretor de imóveis sumirá?

O corretor de imóveis deixará de existir?

Nos moldes que temos hoje, o corretor de imóveis, provavelmente, sim! Com o avanço da tecnologia e da confiança distribuída muitas funções de intermediação já têm saído do mapa. Lembram que há alguns anos ainda encontrávamos com facilidade as “centrais de táxi”? Éramos obrigados a ligar para uma central de atendimento, geralmente pouco preocupada com uma boa experiência do cliente, torcer para que localizassem um carro próximo a nós e, simplesmente, aguardar a chegada de um táxi. Atualmente, temos algumas alternativas para essa situação e na maioria das cidades essas centrais estão sumindo.

Outro exemplo retrata que há muito tempo atrás, “no tempo dos nossos avós” quando precisávamos fazer uma ligação telefônica, íamos até um telefone (pois não comumente tínhamos um aparelho telefônico em casa) e agendávamos com a telefonista – a intermediadora – uma ligação. Ela marcava conosco um horário para que voltássemos ao telefone e ela completasse a chamada ao destinatário. Estranho pensar que, com a facilidade que temos hoje para ligar para qualquer pessoa do mundo a um custo muito baixo, um dia precisamos passar por isso.

Com o avanço das tecnologias, soluções confiáveis e rápidas estão a disposição dos consumidores em vários mercados, inclusive no imobiliário. As exigências dos clientes mudam, as imobiliárias devem mudar também, caso contrário apenas vão acelerar o processo de serem trocadas por alternativas tecnológicas.

Sempre que temos um intermediador em alguma transação comercial, aumentamos o tempo para que ela seja concluída e o preço. Com mais pessoas envolvidas, mais pessoas precisam ser remuneradas e esse custo é o cliente quem paga. Não faz sentido o cliente querer fazer as coisas mais lentamente e ainda pagando mais caro. É nesse rumo que as mudanças estão ocorrendo.

Corretor de Imóveis: A mudança já começou

Há, pelo menos, dois anos que se fala amplamente do possível fim da função de corretor de imóveis. Um artigo publicado no portal Globo, em 2016, trazia especialistas da Ernst & Young destacando que a facilidade das relações comerciais, por meio de sistemas menos burocráticos, vinha atraindo consumidores para o novo formato de negociação no mercado imobiliário. O formato onde não existe o intermediador, o corretor de imóveis.

O tradicional desgaste nas relações entre imobiliárias, locadores, locatários e demais clientes também acelera este processo. Como consumidores, deixamos de ser tolerantes a experiências ruins. Focados na boa experiência do usuário, tecnologia vão crescendo de maneira abrupta. Podemos facilmente encontrar imóveis via portais, visita-los em realidade virtual, negociarmos com robôs, conseguirmos garantias financeiras para executar as transações de qualquer lugar, através do nosso smartphone.

O que fazer para não deixar de existir tão rapidamente

Entenda profundamente todas as soluções inovadoras do mercado imobiliário que podem facilitar a vida dos locadores ou compradores de imóveis. Foque em coordenar elas a seu favor. Como o corretor de imóveis ainda é o especialista do mercado imobiliário e a aquisição ou locação de imóvel é algo importante na vida da maioria das pessoas, centralize as ações dando sempre o que o cliente necessitar, de maneira rápida e precisa.

Alimente seu cliente de informações importantes para que ele tome a melhor decisão, promovendo assim uma jornada de compra que gere gratificação. Sem frustrações é possível que ele continue fiel ao modelo que o atende, sem precisar se especializar em soluções do mercado imobiliário que não são seus interesses. Além de fiel, poderá trazer seus amigos e familiares para este modelo, que não gera dor de cabeça e está apoiado por um especialista, o corretor de imóvel. Este, que a partir de agora, poderá ser interpretado como um consultor imobiliário.

Foque na experiência de compra do seu cliente! Conduza suas negociações com profissionalismo e transparência, estabelecendo uma relação de confiança com eles.